Alergénio: Tremoço

janeiro 29, 2020

Alergénio: Tremoço

O tremoço (género Lupinus, família Leguminosae) é uma leguminosa que inclui cerca de 450 espécies. É um aperitivo muito apreciado pelos portugueses, muitas vezes chamado de “marisco dos pobres”.

O seu consumo é comum em vários países europeus, especialmente nos países mediterrâneos. Desde o final dos anos 90, o seu uso pela indústria alimentar tem-se generalizado, devido ao seu valor nutricional, alta qualidade proteica, propriedades emulsionantes e baixo custo. (1)

Sabia que a farinha de tremoço é utilizada pela indústria em produtos sem glúten e em substituição da soja, do leite e do ovo?

É ainda desconhecida a prevalência de alergia ao tremoço na população em geral, mas parece restrita a certas áreas geográficas, possivelmente refletindo os diferentes hábitos alimentares e, portanto, o risco de exposição. (1)

Até recentemente a legislação Europeia era a única que referia o tremoço como um alergénio de declaração obrigatória na rotulagem, no entanto, devido ao aumento generalizado do seu consumo, nomeadamente em produtos industrializados, desde 2018, passou a ser também declarado como alergénio na Austrália e Nova Zelândia. (2, 3)

A alergia ao tremoço pode manifestar-se tanto em indivíduos com sensibilização primária, ou seja, sem outras alergias alimentares, como em alérgicos ao amendoim, com o qual existe uma forte possibilidade de reação cruzada. Podem também ocorrer reações cruzadas, ou seja, respostas alérgicas idênticas, com outras leguminosas como a soja, lentilha, feijão, grão de bico e ervilha, devido à semelhança das suas proteínas. (1, 4)

A sensibilização às proteínas alergénicas do tremoço pode ocorrer por ingestão do tremoço ou de alimentos que contenham farinha ou derivados de tremoço ou por inalação da farinha ou dos vapores de cozedura, e as reações clínicas podem variar desde sintomas leves até a anafilaxia, havendo relato de casos de agravamento da dermatite atópica. (1, 5)

Como em qualquer alergia alimentar, o tratamento de eleição para a alergia ao tremoço é eliminar o consumo de tremoço e alimentos que contenham tremoço ou derivados. Veja na tabela abaixo quais os alimentos que contêm ou podem conter tremoço. Saiba também como identificar o tremoço na rotulagem.

Alimentos que têm ou podem conter tremoço: (1, 6)

 

Alimentos que podem conter tremoço - Fidu | Alimentos Inclusivos

Como identificar amendoim na rotulagem: (6)
Tremoço, farinha de tremoço, proteína de tremoço.

Os produtos Fidu não contêm tremoço nem produtos derivados. Não manipulamos nas nossas instalações nenhum ingrediente que possa estar contaminado com tremoço. Dessa forma, garantimos que não há contaminações cruzadas por vestígios e que os nossos produtos são seguros até para os mais sensíveis.

Já provou os nossos produtos? Para os conhecer basta clicar AQUI!

Nota Importante: O conteúdo desde artigo é meramente informativo e não deve substituir as indicações médicas. Caso suspeite de que sofre deste tipo de alergia deverá procurar aconselhamento médico.

--------
(1) NDA. (2016). Scientific Opinion on the evaluation of allergenic foods and food ingredients for labelling purposes. EFSA Journal, 12(11).
(2) Muraro, A., Hoffmann-Sommergruber, K., Holzhauser, T., Poulsen, L. K., Gowland, M. H., Akdis, C. A., … Vieths, S. (2014). EAACI Food Allergy and Anaphylaxis Guidelines. Protecting consumers with food allergies: Understanding food consumption, meeting regulations and identifying unmet needs. Allergy: European Journal of Allergy and Clinical Immunology, 69, 1464–1472.
(3) FSANZ (2018). Are you a food business? Mandatory labelling for lupin starts soon. Disponível em: https://www.foodstandards.gov.au/
(4) Food Allergy Research & Education (FARE). (2017). Your Food Allergy Field Guide.
(5) Grupo de Interesse de Alergia a Alimentos da SPAIC, 2019. Alergia Alimentar: conceitos e conselhos e precauções, 2ª Edição. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica com apoio da Thermo Fisher Scientific e Laboratórios BIAL.
(6) Pádua, I., Barros, R., Moreira, P., & Moreira, A. (2016). Alergia alimentar na restauração. Lisboa: Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, Direção-Geral da Saúde.