Alergénio: Trigo e cereais que contêm glúten

novembro 06, 2019

Alergénio: Trigo e cereais que contêm glúten

O trigo é um dos cereais mais consumidos no mundo e é um dos cinco alimentos mais comuns a desencadear reações alérgicas em crianças (1), estando também associado a diferentes tipos de patologias. Em qualquer destes casos, após o diagnóstico, é habitual eliminar o trigo e outros cereais da alimentação, pelo que é importante saber que alimentos podem conter trigo e cereais com glúten e como identificá-los na rotulagem.


O trigo está associado a diferentes patologias:

a) Autoimunes: doença celíaca, dermatite herpetiforme, ataxia relacionada com o glúten;

b) Alérgicas: alergia alimentar ao trigo, anafilaxia induzida pelo exercício dependente de alimentos, alergia respiratória, urticária de contacto;

c) Intolerâncias: sensibilidade ao glúten não celíaca, intolerância a FOODMAP. (1)


Diferentes partes do trigo podem estar associadas a estas reações. A Organização Mundial de Saúde (OMS) identifica 28 substâncias alergénicas no trigo, 18 das quais podem provocar alergia alimentar.(2)

Nas alergias a proteínas do trigo, pode ocorrer reação cruzada com outros cereais, nomeadamente com a cevada e o centeio. Isto acontece quando o organismo confunde as proteínas destes cereais com as do trigo devido à suas semelhanças, reagindo da mesma forma.(1)

As patologias relacionadas com o trigo podem ter um amplo leque de manifestações envolvendo diferentes órgãos, com gravidade variável, desde reações ligeiras até à reação anafilática, no caso de alergia, que pode causar risco de vida se não for imediatamente tratada. As reações podem ocorrer por ingestão, por contacto ou por inalação, com início imediato (até 2 horas após a ingestão) ou tardio. Estes factos podem dificultar o seu diagnóstico.(3,4)

Em qualquer dos casos, após o diagnóstico é recomendada a eliminação do trigo da dieta, bem como de outros cereais que possam provocar reação. Nas patologias relacionadas com o glúten, todos os cereais ricos em glúten devem ser evitados, como a centeio, a cevada, aveia, podendo a aveia ser tolerada em alguns casos.(3,4)

Os cereais estão presentes em diversos alimentos, de forma mais ou menos evidente, sendo por isso a leitura atenta dos rótulos essencial. O destaque na rotulagem de trigo e cereais que contêm glúten (espelta, trigo Khorasan, centeio, cevada e aveia) é obrigatória nos produtos alimentares comercializados na Europa (5). Veja quais os alimentos que podem conter trigo e como identificar o trigo e cereais que contêm glúten na rotulagem.

Alimentos que têm ou podem conter trigo:(3,4,6)

Como identificar o trigo e cereais que contêm glúten na rotulagem:(4,6)



Os produtos da Fidu não contêm trigo nem cereais com glúten. Também não manipulamos nas nossas instalações nenhum ingrediente que possa estar contaminado com estes cereais. Dessa forma, garantimos que não há contaminações cruzadas por vestígios e que os nossos produtos são seguros até para os mais sensíveis.


Venha conhecer os nossos produtos!


Nota Importante: O conteúdo desde artigo é meramente informativo e não deve substituir as indicações médicas. Se experimentar sintomas de desconforto quando consome produtos alimentares com trigo, consulte o seu médico. Não faça o seu autodiagnóstico; em alguns casos, a alteração da dieta feita por si pode inviabilizar um diagnóstico.

____________

1 F. Ferreira and F. Inácio, 2018. Patologia associada ao trigo: Alergia IgE e não IgE mediada, doença celíaca, hipersensibilidade não celíaca, FODMAP,” Rev. Port. Imunoalergologia, vol. 26, no. 3, pp. 171–187.
2 Allergen Nomenclature WHO/International Union of Immunological Societies Allergen Nomenclature Sub -Committee Allergen Nomenclature. Disponível em: www.allergen.org.
3Grupo de Interesse de Alergia a Alimentos da SPAIC, 2017. Alergia Alimentar: conceitos, conselhos e precauções, 1a Edição. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica com apoio de Thermo Fisher.
4 I. Pádua, R. Barros, P. Moreira, and A. Moreira, 2016. Alergia alimentar na restauração. Lisboa: Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável, Direção-Geral da Saúde.
5 Regulamento (UE) N.º 1169/2011 de 25 de outubro de 2011 do Parlamento Europeu e do Conselho da União Europeia.
6 APN, 2014. Alimentação na Doença Celíaca, Coleção de E-books APN, vol. 34. Porto: Associação Portuguesa dos Nutricionistas.



PT-PT